Dança e cinema 2

Mikhail Baryshnikov no filme MOMENTO DE DECISÃO (The turning point, 1977)

No início de 1978, o cineasta americano Herbert Ross se viu em uma situação agradável, mas um tanto rara em seu meio. Seus dois trabalhos lançados no ano anterior concorriam ao Oscar de Melhor Filme, tornando-o rival dele mesmo. A comédia romântica “A garota do adeus” deu o prêmio de melhor ator a Richard Dreyfuss, enquanto sua maior aposta, o drama familiar “Momento de decisão” saiu da cerimônia sem nenhuma estatueta, apesar de suas generosas 11 indicações. Mas isso não reflete o fato de ser um dos mais consistentes dramas sobre os bastidores do balé, mesmo que o utilize apenas como pano de fundo de uma história humana e envolvente.

https://www.youtube.com/watch?v=AssRlsPH578
Trailer do filme

Primeiro filme de Mikhail Baryshnikov, a sua capacidade de interpretação lhe rendeu uma indicação ao Oscar.

Sobre o filme

“Momento de decisão” conta a história de duas mulheres de mundos aparentemente diferentes, mas que possuem dentro delas muito mais em comum do que aparentam. Shirley MacLaine vive Deedee Rodgers, uma dona-de-casa que abandonou uma promissora carreira como bailarina profissional para dedicar-se à família. Ao lado do marido, dirige uma escola de dança, enquanto vê os filhos (dois dos quais também são bailarinos) crescerem. Sua amiga de juventude, Emma Jacklin (Anne Bancroft) é exatamente seu contrário. Abdicou da vida pessoal para cuidar da carreira, tornou-se uma admirada e invejada bailarina, protagonista das mais importantes coreografias. Quando as duas se reencontram, o conflito se instala. Entre as duas, no epicentro do drama, a filha de Deedee (Leslie Browne, bailarina do ABT), tenta seguir seu próprio caminho, que se complica quando ela se apaixona por Yuri (Mikhail Baryshnikov), um bailarino russo com quem divide os palcos e suas primeiras noites.

Poster do filme

Sobre Mikhail Baryshnikov

Nasceu em 1948 na União Soviética e começou seus estudos de balé em 1960. Seu talento, em particular a força de sua presença e a pureza de sua técnica clássica, foi reconhecido por vários coreógrafos soviéticos que criaram coreografias para ele. O virtuoso Vestris, de Jacobson, em 1969, juntamente com a intensidade emocional de Albrecht, em Giselle, tornou-se a sua assinatura.

https://www.youtube.com/watch?v=SAdqlXrDycY
Vestris (1969)

Iniciou sua promissora carreira no Kirov Ballet em Leningrado. Durante uma apresentação da companhia no Canadá, em 1974, buscou asilo no país e, em 1986, naturalizou-se norte-americano. Após atuar como autônomo ao lado de várias companhias, juntou-se à Companhia de Ballet de NY como solista para aprender o estilo de movimento de George Balanchine. Ele dançou com a companhia American Ballet Theatre, onde posteriormente se tornou diretor artístico. Baryshnikov liderou muitos de seus próprios projetos artísticos e foi associado principalmente à promoção da dança moderna. Seu sucesso como ator no teatro, cinema e televisão o ajudaram a se tornar provavelmente o mais largamente reconhecido bailarino contemporâneo.

Outros filmes com Mikhail Baryshnikov: O sol da meia-noite (White Nights de 1985) ao lado do dançarino e ator americano, Gregory Hines; Dancers (1987).

https://www.youtube.com/watch?v=0nIzuFfQBbM
Mikhail Baryshnikov e Leslie Browne

 

 

Fontes: umfilmepordia.blogspot.com, adorocinema.com

 

 

Jorge Donn Bolero Ravel Béjart

Dança e cinema 1

Duas expressões da arte que amo demais!

Mas não quero falar de filmes de dança e sim daqueles onde uma sequência de dança deixa você flutuando como num estado de graça!

O primeiro que vem na minha cabeça é Retratos da Vida (Les uns et les autres), obra prima do diretor francês Claude Lelouch, de 1981. No filme, a vida de três gerações de quatro famílias em diferentes países (Rússia, França, Alemanha e EUA), todas ligadas pela música, são afetadas pela Segunda Guerra Mundial.

Suas vidas se cruzam ao final do filme, em uma cena marcante: um grande concerto pela paz embaixo da Torre Eiffel, promovido pela Cruz Vermelha. Bailarinos, cantores, músicos e maestro se reúnem para celebrar a vida.

Em suma, um filme de mais de duas horas e meia de duração, com um final apoteótico de mais de dez minutos graças à sensualidade da coreografia de Maurice Béjart, à interpretação excepcional de Jorge Donn e a intensidade do Bolero de Ravel.

Por isso, cada vez que ouço o Bolero, o primeiro que vem na minha mente é Jorge Donn.

Jorge Donn nasceu em 1947 em Argentina e morreu precocemente por complicações do Sida em Lausanne, Suíça, aos 45 anos. Começou a dançar de pequeno no Instituto de Arte do Teatro Colón. Em 1963, nesse mesmo teatro, o Ballet do Século XX, companhia de Maurice Béjart, se apresenta em Buenos Aires pela primeira vez. Nessa mesma gira, a companhia se apresentaria também no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Ao finalizar o espetáculo, um garoto corre até seu ídolo, Béjart. Com 16 anos, corpo magro e reto, rosto meigo e nervos alterados, Donn pede ao coreógrafo permissão para assistir as suas aulas. O mestre aceita. No fim da aula, quase sem pensar, o jovem pede ir com ele para a Europa e formar parte da sua companhia. Béjart responde que estão completos e que ele é muito jovem ainda. Mas Jorge já está decidido. Compra uma passagem de barco só de ida para a França. Três meses mais tarde participa das aulas de Béjart. Um dos bailarinos da companhia adoece e Jorge o substitui. Três anos depois, ele inspirava as peças de um dos mais importantes coreógrafos da história moderna da dança: Maurice Béjart.

A crítica internacional descreveu a Jorge Donn como uma personalidade magnética, com vigor atlético e fluido lirismo, identificando-o como um ator do movimento. Foi muitas vezes comparado a um felino, pelas suas caraterizações, sua sensualidade e pelos seus cabelos cacheados longos e loiros.

Teve como partners inúmeras estrelas do balé mundial como Maia Plissetskaia e Márcia Haydée. Passou pelo New York City Ballet, onde trabalhou com George Balanchine e participou também de produções nos teatros mais importantes do mundo, incluindo o Bolshoi.

Béjart criou sua primeira versão para o Bolero em 1961, dançada por homens, tornando-a uma de suas obras mais importantes. Ele manteve o argumento original: o solista que dança sobre uma mesa e contagia outros dançarinos à sua volta. Em Retratos da Vida, Jorge Donn a imortalizou.

Para quem acha o Bolero entediante, compartilho outra cena de dança do filme, de grande beleza visual: Jorge Donn dançando em um majestoso palácio ao som do 4º movimento da 7º Sinfonia de Beethoven.

Sobre o Bolero
Criado em 1928, é a obra mais conhecida do compositor francês Maurice Ravel (1875-1937) e uma das mais populares de todo o repertório clássico. De fato, o Bolero é executado a cada dez minutos no mundo.
Ravel tinha concordado em escrever um balé com acento espanhol para a dançarina russa Ida Rubinstein. A melodia simples é repetida por 169 vezes, em crescente, até finalmente liberar a tensão reprimida em uma explosão catártica.
O Bolero, com coreografia de grande sensualidade assinada pela renomada Bronislava Nijinska,  irmã do bailarino Nijinski, estreou na Ópera de Paris e foi recebida com estardalhaço por uma ruidosa plateia que aplaudia e berrava. Uma mulher foi ouvida gritando: “O louco! O louco!” referindo-se ao compositor. Quando Ravel soube do ocorrido, teria respondido: “Aquela mulher… ela entendeu”.

Fontes: Enciclopédia Latino-americana; cinepipocacult.br.

 

A delícia de subir ao palco!

A delícia de subir ao palco!

Mmm… mas o frio na barriga, os nervos, o medo de esquecer os passos?

Ah, tudo isso acontece, faz parte. Não é a mesma coisa que ensaiar na sala de aula. No palco, tem luzes brilhantes, o figurino – que nem sempre é tão confortável como o uniforme – e aquele imenso quadro escuro visto do palco, que é a plateia.

Então pense que você treinou muito para chegar neste momento. Que seu colega ao lado é o mesmo dos ensaios. Que a frente, trás, lado é a mesma, não importa que no lugar da platéia, antes era o espelho.

Aproveite cada segundo, porque no palco, o tempo voa! Dê o melhor de si, sorria, represente, dance e transmita o que estiver sentindo.

E se errar? Continue dançando, afinal a platéia não sabe a coreografia 😉

Com certeza ao acabar de dançar, sua ligação com sua turma será mais forte e uma sensação inexplicável de felicidade tomará conta de você: a delícia de subir ao palco!

Break a leg e bom espetáculo!

Quer saber mais da nossa escola? Contate-nos. A Cia das Artes está também no Instagram e Facebook.

Imagem destacada – Espetáculo Aladdin, 2018, fotógrafo Fábio Capretz

Atividade física na vida moderna

Atividade física na vida moderna

Estudiar e trabalhar é imprescindível e importante, praticar uma atividade física também!

A vida moderna atual é agitada! Desde cedo, as crianças estão cheias de atividades e isso continua na adolescencia e depois… Natação, inglês, clube, academia são atividades extras que completam todos os quadrinhos na agenda semanal. Poderia se dizer que não é mais uma tendência: ela já está instalada e vai ficar!

Também é fato que a rotina (ou não rotina) de homens e mulheres, jovens e adultos –todos sem exceção – precisam da atividade física para que o indivíduo possa ter uma vida saudável e plena, no nível físico, mental e emocional.

Conforme o IBGE, a falta de prática esportiva ou atividade física é mais frequente entre as mulheres: duas em cada três não se exercitam. Mas, quais são as necessidades conforme a idade e como ter sucesso, ou seja, não começar para logo desistir?

  • Evitar o excesso de peso e a obesidade
  • Diminuir a probabilidade de desenvolver doenças (ex: cardiovasculares, câncer, diabetes, manter a pressão arterial)
  • “Domesticar” o estresse
  • Aumentar a autoestima
  • Aumentar a concentração
  • Sociabilização
  • Sensação generalizada de bem-estar físico e psicológico

Quais são as necessidades
Segundo a OMS, adultos entre 18 e 64 anos de idade requerem a prática de exercícios aeróbicos durante 150 minutos por semana, em nível de atividade moderada ou 75 minutos de exercícios aeróbicos em atividade vigorosa.

Para pessoas acima dos 65 anos, a recomendação é 150 minutos de exercícios aeróbicos por semana em nível de atividade moderada ou 75 minutos de exercícios aeróbicos em atividade vigorosa.

Os adultos mais velhos, com mobilidade comprometida, devem realizar atividade física para melhorar o equilíbrio e evitar quedas em 3 ou mais dias por semana.

Atividades de fortalecimento muscular, envolvendo grandes grupos musculares, deve ser feito em 2 ou mais dias por semana.

Como podemos ajudar
As atividades numa escola de dança muitas vezes seguem um currículo de aprendizado, mas em alguns casos é imprescindível evoluir e oferecer ao aluno uma proposta eficaz para que não desista na empreitada por manter a atividade física entre as suas prioridades.

É por isso que nós também nos adaptamos à vida moderna atual agitada e agora oferecemos aulas avulsas que se encaixam no seu dia a dia!

Ligue para o 3773-6660 ou melhor, venha nos visitar, conheça nossa escola e poderemos conversar para formatar o melhor plano de atividade física especialmente adaptado às suas necessidades.

Além disso, a dança pode melhorar a memória, o aprendizado e o equilíbrio.

A dança pode reverter os sinais de envelhecimento

As pessoas de idade que participam de uma atividade física de forma frequente, podem reverter os sinais de envelhecimento em seus cérebros.

É um fato científico: vários estudos já revelaram que a dança pode ser mais benéfica para o corpo e para a alma do que certos exercícios. E não precisa ter um par! Além disso, a dança pode melhorar a memória, o aprendizado e o equilíbrio. 

A diferença dos programas de treinamento tradicionais (dentre outros tipos de exercícios estudados num estudio, link abaixo), a dança foi o que teve o efeito mais profundo de reversão dos sinais de envelhecimento.

Os estudos mostram que a dança ajuda a combater o estresse, a ansiedade e a depressão. A prática de diferentes tipos de dança mantém o indivíduo num processo de aprendizado constante que aumenta o tamanho da região do cérebro chamada hipocampo. Essa região normalmente declina com a idade e é severamente afetada por doenças como Alzheimer. O resultado é uma melhora na memória e no aprendizado, além da manutenção do equilíbrio.

Os cientistas acompanharam um grupo de 62 homens e mulheres, com média de idade na casa dos 68 anos. Para parte deles, a atividade proposta era um curso semanal com duração de 18 meses, criado para ensinar diferentes estilos de dança. O restante dos voluntários participou de um treinamento focado em ampliar a resistência física e flexibilidade. Dentre as atividades, estavam a caminhada ou treinos de bicicleta – que sempre exigiam a repetição dos mesmos movimentos, em sessões de 90 minutos.

Os participantes do estudo foram apresentados com novas rotinas de dança a cada semana. Passos, movimentos com os braços, formações, velocidade e ritmos eram mudados a cada segunda semana para manter os indivíduos num aprendizado constante.

mayores de 60 que dançam tem melhor qualidade de vida

O maior desafio para eles era lembrar as rotinas, somado à pressão do tempo e sem a ajuda do instrutor. Esses desafios adicionais explicam a notável diferença no equilíbrio, muito importante nas pessoas de idade. Danças de diferentes géneros tem o mesmo efeito, seja jazz, música latina ou dança em grupos.

Num estudo anterior, a dança também foi muito efetiva em pessoas que sofrem de demência.

Ou seja, o exercício físico e mental contribuem para uma vida saudável e aprender diferentes tipos e coreografias de dança, podem rejuvenecer o corpo e a mente, minimizando os diversos fatores de risco e desacelerando os declínios cognitivos, mentais e físicos associados à idade.

Fonte: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fnhum.2017.00305/full

Quer conhecer nosso projeto Alpha? Entre em contato com a Cia pelo tel.: (11) 3773-6660, Whatsapp (11)98782-8778 ou por E-mail: contato@escolaciadasartes.com

Search

+