aula de yoga

O yoga como aliado da dança

O yoga pode ser considerado uma ferramenta para ampliar a nossa vitalidade, saúde, qualidade de vida e longevidade. O conjunto de técnicas específicas praticadas nas aulas de yoga engloba respiração, concentração, meditação, alongamento, flexibilidade, torções, tônus muscular, contrações abdominais, equilíbrio e invertidas, com o objetivo de desenvolver o autoconhecimento e consciência mental corporal.

As técnicas atuam na regulação hormonal e produção de neurotransmissores, com atuação direta em quadros de ansiedade, depressão, estresse, baixa autoestima, compulsão alimentar e outros transtornos psíquicos, além de potencializar a capacidade respiratória, resistência física, amplitude dos movimentos articulares, e diversos outros efeitos fisiológicos. É sabido que o yoga reduz os níveis de cortisol, conhecido como o “hormônio do estresse”.

postura yoga invertida

Benefícios do yoga para bailarinos

Para bailarinos e estudantes de dança, os benefícios são óbvios: a sincronia entre respiração e movimentos oxigena o cérebro e relaxa o corpo, excelente para aplicar nos intervalos entre treinos e espetáculos. A prática também é conhecida por melhorar a concentração e a memória dos praticantes, fundamental para as pessoas que dançam. Tanto nas aulas como nos espetáculos, o bailarino requer da memorização de sequencias de passos, muitas vezes longas e complexas. Como o yoga exige muita atenção na execução das posturas e na respiração, a atividade melhora a circulação sanguínea, intensificando o funcionamento do cérebro e aumentando sua capacidade de memória.

Posturas praticadas nas aulas de yoga

Pranayama é a expansão da bioenergia através de técnicas de respiração. Kriya são técnicas de contração abdominal para a purificação de mucosas. Yoganidra são técnicas de descontração e relaxamento. Samyama são técnicas de concentração, meditação e hiper consciência. Ásana são técnicas para fortalecimento e expansão da consciência corporal. Falaremos mais em detalhe do Sirshásana, Ásana da cabeça ou invertida sobre a cabeça.

postura yoga

Considerado o ásana Rei, pai de todos os ásanas, sirshásana é a técnica corporal mais importante do yoga e a que mais promove benefícios à estrutura biológica do ser humano. É um ásana poderoso que alia técnicas de concentração, respiração, equilíbrio, tônus muscular e consciência corporal.

Para que seus efeitos sejam assimilados pelo organismo é recomendável a permanência na postura entre pelo menos 1 e 5 minutos diariamente, de preferência após uma prática de yoga, alguma outra atividade física que você já pratique, ou ao acordar, para que o sangue oxigenado potencialize os efeitos da técnica.

Benefícios da invertida sobre a cabeça

Retorno sanguíneo e oxigenação cerebral: nessa postura usamos a força da gravidade favorecendo o retorno sanguíneo dos membros inferiores, prevenindo e revertendo problemas circulatórios. Por outro lado, o cérebro, medula espinhal, olhos, ouvidos, nariz, garganta, coração e órgãos vitais são irrigados com mais sangue oxigenado, estimulando assim o bom funcionamento das capacidades cognitivas, concentração, memória, raciocínio, sinapses e todos os processos fisiológicos das respectivas regiões.
ásana rei

Irrigação dos órgãos dos sentidos: essa dose extra de sangue oxigenado beneficia também os órgãos dos sentidos localizados na região da cabeça, incluindo a pele do rosto devido a um melhor aporte de nutrientes para as células que formam os tecidos dessa região.

Reforço imunológico: melhora o fluxo do sistema linfático que desempenha um papel fundamental no sistema de defesa do organismo.

Reposiciona os órgãos da região abdominal: muitas pessoas sofrem de ‘queda dos órgãos’ ou visceroptose. As posturas invertidas favorecem o reposicionamento dos órgãos dentro da região do abdômen e tórax.

Melhora do humor, administração o estresse e combate à depressão: um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que uma prática de yoga que inclui invertidas pode melhorar o humor e reduzir os sintomas da depressão. A presença das invertidas na prática também se relacionou com a normalização do hormônio cortisol e com o aumento da circulação de endorfinas que por sua vez ajuda a lidar com situações de tristeza e ansiedade. Os indivíduos que usam invertidas como parte de uma prática diária de yoga relataram uma sensação de confiança e coragem ao longo do dia.

Flexibilidade mental e resiliência: a experiência de sentir o corpo no espaço de uma maneira diferente desloca o ponto de vista e estimula uma ressignificação de certos padrões de comportamento e de percepção tornando o indivíduo mais flexível e adaptável às mudanças e  situações adversas.

Retarda os processos de envelhecimento: devido a todos esses efeitos, costuma se dizer que, quando estamos numa postura invertida, os ponteiros do relógio param ou até mesmo rodam em sentido contrário.

 

Deste modo, a prática diária das técnicas do yoga amplia o nível de consciência e cuidados sobre o corpo e a mente, e aumenta a performance em suas práticas físicas de todo tipo (esportes, artes marciais, dança) e demais atividades do cotidiano.

postura de cabeça

Na Cia das Artes, as aulas de yoga do professor Caio Naddeo acontecem aos sábados, das 9h30 às 10h30. A metodologia utilizada é baseada nas raízes das filosofias do Sámkhya e do Tantra e que visa a parte técnica do yoga, desprovida do cunho místico e religioso. Todas as técnicas citadas neste blog são praticadas nas aulas.

Fontes: www.paixaopeladanca.com.br; www.yogainternational.com; Caio Naddeo

Alongamento fascial

A importância da dança no alongamento da fáscia

A sensação de sair de uma aula de dança com a convicção de que a vida faz sentido é única. Conhecer sua própria estrutura e fluxos do corpo, sua anatomia, sua fáscia, abre um horizonte infinito de auto-conhecimento.

Quando falamos de alongamento, geralmente falamos da técnica que permite o estiramento das fibras musculares, aumentando ou mantendo o comprimento dos músculos, mas existem outras estruturas, tais como a fáscia (além de tendões e ligamentos), que também precisam ser alongadas.

Começemos por definir o que é

a fáscia é como uma teia de aranhaDetalhe do tecido conjuntivo ou fáscia

A fáscia é um sistema do corpo com a aparência bem similar a uma teia de aranha, feita principalmente de colágeno. Essa “teia” nada mais é do que um tecido conjuntivo fibroso gigantesco que cobre e interpenetra cada músculo, osso, nervo, artéria e veia, além de todos os nossos órgãos internos, incluindo o coração, os pulmões, o cérebro, a medula espinhal, etc. Os osteopatas foram os pioneiros a ter noção da globalidade da fáscia. Durante séculos, este tecido tem sido descartado pelos anatomistas clássicos como “material de embalagem”, mas sua importância foi descoberta recentemente pela ciência ocidental. A sua existência não é (ainda) de conhecimento popular, porém, muitos problemas de saúde, dor e até mesmo fatores relacionados à beleza e às emoções tem sua origem na fáscia.

O seu papel é, portanto, bastante significativo dentro da estrutura complexa que é o nosso corpo.

Anatomia da pele

Músculo, esqueleto e emoções

A fáscia representa o segundo fator mais importante que limita a amplitude de movimento. Isso porque o tecido conjuntivo corresponde a 30% da massa muscular e faz com que o músculo consiga mudar de comprimento. Portanto, o músculo só faz o que a fáscia quiser. Durante um movimento passivo, ela é responsável por 40% do total da resiliência do movimento.

Estamos falando então de uma estrutura contínua que percorre todo o organismo, de nossas cabeças aos nossos pés, sem interrupção. Dessa maneira, podemos perceber que ela mantém cada parte do corpo conectada e fornece uma camada protetora contra traumas externos, tanto aos órgãos, como ao corpo como um todo. O fato de o sangue, os nervos e os músculos estarem envolvidos e penetrados pela fáscia, permite que órgãos deslizem suavemente um contra o outro.

Também desempenha um importante papel de apoio ao sistema músculo esquelético. Esse suporte permite que realizemos atividades funcionais, como levantar quando estamos sentados, andar, pular e correr. Essa visão integrada do corpo e do movimento humano já é fortemente adotada na dança e, de fato, a prática da dança estimula a fáscia muito mais do que outras atividades físicas pela sua riqueza de movimentos. 

A fáscia também influi nas emoções: uma disfunção no sistema fascial devido a movimentos do dia-a-dia pode causar alterações emocionais.

Portanto, a vitalidade e a força da fáscia são fundamentais para a saúde e o trabalho em conjunto de todos os sistemas do corpo

Em seu estado saudável, a fáscia tem um aspecto ondulado e relaxado, podendo se alongar e mover sem restrições. Mas quando nosso corpo sofre traumas físicos ou emocionais, está em processo de cicatrização ou inflamação, ela perde essa flexibilidade.  Ao não oferecer mais o suporte adequado, transforma-se em uma fonte de tensão para todo o corpo. Então, traumas (quedas, acidentes de carro, cirurgias ou simplesmente a postura incorreta) em um determinado lugar podem ser sentidos em outras partes do corpo. De fato, estudos já mostraram que a tensão fascial no joelho, por exemplo, pode ter consequências em lugares como o quadril ou o tornozelo.

 

Exercícios de alongamento da fáscia

Dicas de alongamento

O segredo para uma fáscia saudável é movimento. Movimentar-se em vários eixos, várias direções e acrescentar balanceios estimula à produção do colágeno. Embora tanto o ioga quanto o pilates trabalhem na hidratação da fáscia, a dança é a atividade que mais atinge esse objetivo. Explore outros eixos de movimento, vá para um lado e para o outro, mude a posição dos pés e mãos. Outro ponto importante é que uma fáscia saudável consegue guardar energia, a qual será utilizada em atividades como marcha e corrida, solicitando um menor gasto energético do seu metabolismo. Você cansará menos.

É de extrema importância termos uma fáscia saudável, e isso implica em ter uma fáscia hidratada, elástica, resiliente e alongada.

Alongamento fascial

 

Fontes: www.alltheprettybirds.com/what-is-fascia-stretching; www.workandcare.com.br/blog; siteantigo. portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/medicina/sistema-fascial; www.blog.reabilitech.com.br/fascias/
Ilustração: Subin Yang
Imagens: Pinterest

A arte de se alongar, um importante benefício para o corpo

Você já se alongou hoje?

Independentemente da sua idade, ocupação ou condicionamento físico, se alongar é importantíssimo e extremamente benéfico para todo mundo!

O alongamento é um exercício físico para manter ou desenvolver a flexibilidade muscular e, também, uma das mais importantes categorias de exercícios. Pode ser praticado para conservar e restaurar o equilíbrio em cada uma das seguintes estruturas: músculos, fáscias, tendões e ligamentos.

Se alongar evita dores musculares e problemas nas articulações, deixa o corpo mais relaxado e flexível, aliviando o estresse e melhorando a qualidade de vida.

Você pode escolher por fazer uma aula de alongamento, visando obter os benefícios da prática para seu corpo, ou pode utilizar o alongamento antes e depois de outras atividades físicas. Entendendo que antes do exercício físico, se alongar serve como uma prática para prevenção de lesões musculares e é uma forma de preparar o corpo, deixando-o mais flexível, para o início da atividade. Enquanto ao final do exercício, o alongamento relaxa a musculatura, evitando possíveis dores.

Espreguiçar: o alongamento natural do corpo

Acordou com dor? Pois, não tem nada melhor do que começar o dia alongando antes mesmo de sair da cama. Sim! Nosso corpo sabe o que é melhor para gente e o ato de se espreguiçar é um alongamento involuntário, lubrifica as articulações, acorda o cérebro e prepara o corpo para as atividades do dia, melhorando sua disposição. É tão benéfico para o organismo que praticamente todos os animais o fazem.

Faça um experimento. Pegue uma fita métrica e anote a sua altura ao acordar. Antes de dormir, faça a mesma coisa. Vai notar que ficou alguns poucos centímetros mais baixo, mas não, você não encolheu, porém os seus músculos e os discos intervertebrais sim! Além da desidratação natural do corpo de uma pessoa que não bebe água com frequência, outro motivo que faz os discos reduzirem o seu volume é a pressão exercida pelo ar durante o dia e o encurtamento muscular. Por isso, alongar-se é essencial para a manutenção do corpo (e para manter sua altura).

Então, lembre-se: amanhã, antes de sair da cama, se espreguice e comece o dia com muito mais pique!

Gostaria de alongar com a gente? Confira nossa grade de aulas! Neste momento de “novo normal”, nossa aula de Alongamento acontece na plataforma Zoom; as aulas de Jazz e Contemporâneo também proporcionam excelente alongamento e são presenciais. 

Fontes: biomaniaacademia.com.br, portaleducacao.com.br

 

Atividade física na vida moderna

Atividade física na vida moderna

Estudiar e trabalhar é imprescindível e importante, praticar uma atividade física também!

A vida moderna atual é agitada! Desde cedo, as crianças estão cheias de atividades e isso continua na adolescencia e depois… Natação, inglês, clube, academia são atividades extras que completam todos os quadrinhos na agenda semanal. Poderia se dizer que não é mais uma tendência: ela já está instalada e vai ficar!

Também é fato que a rotina (ou não rotina) de homens e mulheres, jovens e adultos –todos sem exceção – precisam da atividade física para que o indivíduo possa ter uma vida saudável e plena, no nível físico, mental e emocional.

Conforme o IBGE, a falta de prática esportiva ou atividade física é mais frequente entre as mulheres: duas em cada três não se exercitam. Mas, quais são as necessidades conforme a idade e como ter sucesso, ou seja, não começar para logo desistir?

  • Evitar o excesso de peso e a obesidade
  • Diminuir a probabilidade de desenvolver doenças (ex: cardiovasculares, câncer, diabetes, manter a pressão arterial)
  • “Domesticar” o estresse
  • Aumentar a autoestima
  • Aumentar a concentração
  • Sociabilização
  • Sensação generalizada de bem-estar físico e psicológico

Quais são as necessidades
Segundo a OMS, adultos entre 18 e 64 anos de idade requerem a prática de exercícios aeróbicos durante 150 minutos por semana, em nível de atividade moderada ou 75 minutos de exercícios aeróbicos em atividade vigorosa.

Para pessoas acima dos 65 anos, a recomendação é 150 minutos de exercícios aeróbicos por semana em nível de atividade moderada ou 75 minutos de exercícios aeróbicos em atividade vigorosa.

Os adultos mais velhos, com mobilidade comprometida, devem realizar atividade física para melhorar o equilíbrio e evitar quedas em 3 ou mais dias por semana.

Atividades de fortalecimento muscular, envolvendo grandes grupos musculares, deve ser feito em 2 ou mais dias por semana.

Como podemos ajudar
As atividades numa escola de dança muitas vezes seguem um currículo de aprendizado, mas em alguns casos é imprescindível evoluir e oferecer ao aluno uma proposta eficaz para que não desista na empreitada por manter a atividade física entre as suas prioridades.

É por isso que nós também nos adaptamos à vida moderna atual agitada e agora oferecemos aulas avulsas que se encaixam no seu dia a dia!

Ligue para o 3773-6660 ou melhor, venha nos visitar, conheça nossa escola e poderemos conversar para formatar o melhor plano de atividade física especialmente adaptado às suas necessidades.

Além disso, a dança pode melhorar a memória, o aprendizado e o equilíbrio.

A dança pode reverter os sinais de envelhecimento

As pessoas de idade que participam de uma atividade física de forma frequente, podem reverter os sinais de envelhecimento em seus cérebros.

É um fato científico: vários estudos já revelaram que a dança pode ser mais benéfica para o corpo e para a alma do que certos exercícios. E não precisa ter um par! Além disso, a dança pode melhorar a memória, o aprendizado e o equilíbrio. 

A diferença dos programas de treinamento tradicionais (dentre outros tipos de exercícios estudados num estudio, link abaixo), a dança foi o que teve o efeito mais profundo de reversão dos sinais de envelhecimento.

Os estudos mostram que a dança ajuda a combater o estresse, a ansiedade e a depressão. A prática de diferentes tipos de dança mantém o indivíduo num processo de aprendizado constante que aumenta o tamanho da região do cérebro chamada hipocampo. Essa região normalmente declina com a idade e é severamente afetada por doenças como Alzheimer. O resultado é uma melhora na memória e no aprendizado, além da manutenção do equilíbrio.

Os cientistas acompanharam um grupo de 62 homens e mulheres, com média de idade na casa dos 68 anos. Para parte deles, a atividade proposta era um curso semanal com duração de 18 meses, criado para ensinar diferentes estilos de dança. O restante dos voluntários participou de um treinamento focado em ampliar a resistência física e flexibilidade. Dentre as atividades, estavam a caminhada ou treinos de bicicleta – que sempre exigiam a repetição dos mesmos movimentos, em sessões de 90 minutos.

Os participantes do estudo foram apresentados com novas rotinas de dança a cada semana. Passos, movimentos com os braços, formações, velocidade e ritmos eram mudados a cada segunda semana para manter os indivíduos num aprendizado constante.

mayores de 60 que dançam tem melhor qualidade de vida

O maior desafio para eles era lembrar as rotinas, somado à pressão do tempo e sem a ajuda do instrutor. Esses desafios adicionais explicam a notável diferença no equilíbrio, muito importante nas pessoas de idade. Danças de diferentes géneros tem o mesmo efeito, seja jazz, música latina ou dança em grupos.

Num estudo anterior, a dança também foi muito efetiva em pessoas que sofrem de demência.

Ou seja, o exercício físico e mental contribuem para uma vida saudável e aprender diferentes tipos e coreografias de dança, podem rejuvenecer o corpo e a mente, minimizando os diversos fatores de risco e desacelerando os declínios cognitivos, mentais e físicos associados à idade.

Fonte: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fnhum.2017.00305/full

Quer conhecer nosso projeto Alpha? Entre em contato com a Cia pelo tel.: (11) 3773-6660, Whatsapp (11)98782-8778 ou por E-mail: contato@escolaciadasartes.com

Search

+