aula de yoga

O yoga como aliado da dança

O yoga pode ser considerado uma ferramenta para ampliar a nossa vitalidade, saúde, qualidade de vida e longevidade. O conjunto de técnicas específicas praticadas nas aulas de yoga engloba respiração, concentração, meditação, alongamento, flexibilidade, torções, tônus muscular, contrações abdominais, equilíbrio e invertidas, com o objetivo de desenvolver o autoconhecimento e consciência mental corporal.

As técnicas atuam na regulação hormonal e produção de neurotransmissores, com atuação direta em quadros de ansiedade, depressão, estresse, baixa autoestima, compulsão alimentar e outros transtornos psíquicos, além de potencializar a capacidade respiratória, resistência física, amplitude dos movimentos articulares, e diversos outros efeitos fisiológicos. É sabido que o yoga reduz os níveis de cortisol, conhecido como o “hormônio do estresse”.

postura yoga invertida

Benefícios do yoga para bailarinos

Para bailarinos e estudantes de dança, os benefícios são óbvios: a sincronia entre respiração e movimentos oxigena o cérebro e relaxa o corpo, excelente para aplicar nos intervalos entre treinos e espetáculos. A prática também é conhecida por melhorar a concentração e a memória dos praticantes, fundamental para as pessoas que dançam. Tanto nas aulas como nos espetáculos, o bailarino requer da memorização de sequencias de passos, muitas vezes longas e complexas. Como o yoga exige muita atenção na execução das posturas e na respiração, a atividade melhora a circulação sanguínea, intensificando o funcionamento do cérebro e aumentando sua capacidade de memória.

Posturas praticadas nas aulas de yoga

Pranayama é a expansão da bioenergia através de técnicas de respiração. Kriya são técnicas de contração abdominal para a purificação de mucosas. Yoganidra são técnicas de descontração e relaxamento. Samyama são técnicas de concentração, meditação e hiper consciência. Ásana são técnicas para fortalecimento e expansão da consciência corporal. Falaremos mais em detalhe do Sirshásana, Ásana da cabeça ou invertida sobre a cabeça.

postura yoga

Considerado o ásana Rei, pai de todos os ásanas, sirshásana é a técnica corporal mais importante do yoga e a que mais promove benefícios à estrutura biológica do ser humano. É um ásana poderoso que alia técnicas de concentração, respiração, equilíbrio, tônus muscular e consciência corporal.

Para que seus efeitos sejam assimilados pelo organismo é recomendável a permanência na postura entre pelo menos 1 e 5 minutos diariamente, de preferência após uma prática de yoga, alguma outra atividade física que você já pratique, ou ao acordar, para que o sangue oxigenado potencialize os efeitos da técnica.

Benefícios da invertida sobre a cabeça

Retorno sanguíneo e oxigenação cerebral: nessa postura usamos a força da gravidade favorecendo o retorno sanguíneo dos membros inferiores, prevenindo e revertendo problemas circulatórios. Por outro lado, o cérebro, medula espinhal, olhos, ouvidos, nariz, garganta, coração e órgãos vitais são irrigados com mais sangue oxigenado, estimulando assim o bom funcionamento das capacidades cognitivas, concentração, memória, raciocínio, sinapses e todos os processos fisiológicos das respectivas regiões.
ásana rei

Irrigação dos órgãos dos sentidos: essa dose extra de sangue oxigenado beneficia também os órgãos dos sentidos localizados na região da cabeça, incluindo a pele do rosto devido a um melhor aporte de nutrientes para as células que formam os tecidos dessa região.

Reforço imunológico: melhora o fluxo do sistema linfático que desempenha um papel fundamental no sistema de defesa do organismo.

Reposiciona os órgãos da região abdominal: muitas pessoas sofrem de ‘queda dos órgãos’ ou visceroptose. As posturas invertidas favorecem o reposicionamento dos órgãos dentro da região do abdômen e tórax.

Melhora do humor, administração o estresse e combate à depressão: um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que uma prática de yoga que inclui invertidas pode melhorar o humor e reduzir os sintomas da depressão. A presença das invertidas na prática também se relacionou com a normalização do hormônio cortisol e com o aumento da circulação de endorfinas que por sua vez ajuda a lidar com situações de tristeza e ansiedade. Os indivíduos que usam invertidas como parte de uma prática diária de yoga relataram uma sensação de confiança e coragem ao longo do dia.

Flexibilidade mental e resiliência: a experiência de sentir o corpo no espaço de uma maneira diferente desloca o ponto de vista e estimula uma ressignificação de certos padrões de comportamento e de percepção tornando o indivíduo mais flexível e adaptável às mudanças e  situações adversas.

Retarda os processos de envelhecimento: devido a todos esses efeitos, costuma se dizer que, quando estamos numa postura invertida, os ponteiros do relógio param ou até mesmo rodam em sentido contrário.

 

Deste modo, a prática diária das técnicas do yoga amplia o nível de consciência e cuidados sobre o corpo e a mente, e aumenta a performance em suas práticas físicas de todo tipo (esportes, artes marciais, dança) e demais atividades do cotidiano.

postura de cabeça

Na Cia das Artes, as aulas de yoga do professor Caio Naddeo acontecem aos sábados, das 9h30 às 10h30. A metodologia utilizada é baseada nas raízes das filosofias do Sámkhya e do Tantra e que visa a parte técnica do yoga, desprovida do cunho místico e religioso. Todas as técnicas citadas neste blog são praticadas nas aulas.

Fontes: www.paixaopeladanca.com.br; www.yogainternational.com; Caio Naddeo

Cena do filme Perfume de Mulher

O Tango: nos filmes e mais

Como já falamos um pouco sobre a história do Tango, resolvemos trazer um pouco mais sobre como essa dança e música estão presentes no mundo hoje em dia.

O Tango já é parte da cultura mundial e tem até uma data internacionalmente reconhecida para celebrarmos sua existência, no dia 11 de dezembro é comemorado o Dia Internacional do Tango, a data foi escolhida para homenagear dois dos criadores de vertentes do ritmo musical, Carlos Gardel e Julio de Caro.

Festival de Tango
Um dos maiores eventos em torno dessa cultura é o Festival mundial do Tango, que já se tornou um clássico, acontecendo todos os anos em Buenos Aires, desde 2009, com repercussão internacional.
O festival conta com apresentações, competição, filmes, aulas, milongas, feiras, teatro, entre outras atividades culturais. A entrada para as atrações é livre e gratuita, mas é necessário inscrição prévia. Como curiosidade, informamos que em 2021 o festival acontecerá e será online, devido a pandemia do Covid-19.

Há também, uma grande competição no festival, o Mundial de Baile, que é dividido em duas etapas, classificatória e semifinais, com mais de 400 casais participando todo ano nas categorias: Tango de Pista e Tango de Palco.

Tango e a sétima arte
Um dos grandes impulsionadores do Tango, para que ele ganhasse fama mundial, foi a indústria cinematográfica que trouxe o ritmo e a dança argentina para as telonas do mundo inteiro. Há uma lista de filmes que giram em torno do tema ou têm cenas clássicas com coreografias. Alguns deles são: O último tango em Paris, Casque d’Or, O Conformista, Meu último tango, Volver, Uma lição de tango e muitos outros.

E para ficar mais pertinho dessa dança, resolvemos trazer três cenas de Tango em longas metragens:

Filme: Perfume de Mulher (1993)
Al Pacino interpreta um tenente-coronel cego, que mesmo com a barreira da visão, dança “Por una cabeza” de Carlos Gardel, em um restaurante de Nova York.

 

 

Filme: Moulin Rouge (2001)
O filme já é uma grade obra de arte com inúmeros shows de dança e música para contemplarmos, mas dessa vez chamamos atenção para a cena com a coreografia “El Tango de Roxanne”, que traz todo o drama e a força desse gênero.

Filme: Dança comigo? (2004)
Neste romance com Richard Gere, Jennifer López, Susan Sarandon, que gira em torno de aulas de dança, encontramos esta cena onde o tango (desta vez eletrônico) consegue ser elegante e sensual dentro do enredo do filme.

 

São filmes incríveis, alguns considerados clássicos. O que acha de preparar uma pipoca e assistir uma de nossas dicas neste final de semana?

Fontes: www.aguiarbuenosaires.com; www.turismo.buenosaires.gob.ar;
www.exame.com/casual/17-cenas-de-danca-inesqueciveis-do-cinema; www.adorocinema.com;
www.cultura.estadao.com.br/noticias/cinema,uma-selecao-de-filmes-para-homenagear-o-dia-internacional-do-tango,70003121917

bailarinos de tango

Tango, história e curiosidades

Com certeza quando você pensa em aulas de dança de salão, o tango vem a sua mente como uma das danças mais desafiadoras de todas!

Esta dança tem fama mundial, inspirou muitos filmes e é considerada “patrimônio imaterial da humanidade” de acordo com a UNESCO. Por isso, resolvemos trazer um pouco mais da história do tango para vocês!

O Tango é ritmo musical e dança!

Nasceu na Argentina no final do século XIX, a partir da mistura dos seguintes ritmos: polca europeia, havaneira cubana, candombe uruguaio e a milonga espanhola. É uma trilha sonora sincopada, marcada pelos instrumentos musicais violino, piano, contrabaixo, violão e bandoneón, muito influenciada por outras culturas de imigrantes espanhóis, italianos e franceses.

tango 1880

Inicialmente, em 1880, em público dançavam homens com homens. Naqueles tempos era considerada obscena a dança entre homens e mulheres abraçados, sendo este um dos aspectos que o manteve circunscrito aos bordéis, bares, cafés e prostíbulos nos subúrbios de Buenos Aires, para classes menos favorecidas de operários. Apenas algumas décadas depois, ganhou credibilidade em salões, chegando as outras classes sociais.

É uma dança altamente expressiva e dramática, que chama a atenção de muitos por misturar, de maneira única, em uma única coreografia, sensualidade, tristeza e certa agressividade. Segundo Enrique Santos Discépolo, um dos mais importantes autores de letras de tango, “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”.

os pasos do tango

A partir de 1920, é dançado em pares com a mulher sempre, um pouco, à direita do homem, têm passos cerrados, marcados em pausas, com o corpo levemente inclinado. Formada por 8 passos principais, a dança é mais fácil do que parece, o mais desafiador é manter a postura e fazer os movimentos com precisão e intensidade, tornando a dança dramática e cheia de olhares.

Da Argentina para o mundo, o cantor Carlos Gardel ajudou na sua popularização, mostrando sua música nos palcos e com o filme “El día que me quieras”. Milhares de pessoas que visitam a Argentina, principalmente sua capital Buenos Aires, fazem questão de ir a casas de show para ver de perto o Tango.

Fontes: infoescola.com/musica/tango; historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/historia-do-tango; paixaopeladanca.com.br/surgimento-do-tango-entenda-como-e-onde-comeca-a-historia; todamateria.com.br/tango; ufrgs.br/estudoslatinoamericanos; passobase.com

Anna Pavlova, uma lenda e uma sobremesa

Você já deve ter provado ou ouvido falar da sobremesa Pavlova. A pavlova é um bolo a base de merengue, crocante por fora e macio por dentro, sendo por vezes decorado com frutos em cima. O que talvez você não saiba é que este doce foi criado em homenagem à bailarina russa Anna Pavlova.

Anna Pavlova nasceu em São Petersburgo em 1881. Aos oito anos, como presente de aniversário, sua mãe a levou para assistir o balé “A Bela Adormecida”. Anna emocionou-se tanto, que decidiu a partir daquele dia se dedicar à dança.

Fez carreira ainda muito jovem no Ballet Imperial Russo e mais tarde, com a própria companhia, realizou várias turnês pela Europa, América e Ásia. Grande bailarina, destacou-se pela disciplina e pela técnica brilhante, a que uniu a grande expressividade de sua força individual. O seu repertório era clássico, convencional, mas gostava de incluir números de danças étnicas.

Seu ballet mais famoso foi “A morte do cisne”, modificado especialmente para ela pelo coreógrafo Mikhail Fokine. A crítica especializada em ballet é unânime em afirmar que ninguém nunca dançou com tanta dor e talento “O lago dos cisnes“, de Tchaikovski. Suas turnês inspiraram toda uma geração e, com nunca antes, Pavlova levou o ballet a muito mais pessoas. Veio ao Brasil várias vezes, apresentando-se em 1918 no Teatro da Paz em Belém do Pará, e na década de 1920 no Teatro Municipal de São Paulo e do Rio de Janeiro.

No final do século XIX o ideal da bailarina era ter um corpo compacto e musculoso, para poder atender aos requisitos de técnica e performance. Anna Pavlova mudou esta visão com a sua figura feminina, graciosa e delicada. Foi uma das primeiras bailarinas a usar um reforço de couro na sapatilha de ponta. Seus pés eram finos e o peito do pé muito curvado. O reforço servia para minimizar o stress nos dedos e facilitar a execução do “en pointe”, mas as sapatilhas ficavam com uma base mais larga, por isso ela retocava todas as suas fotos para que a ponta parecesse mais fina, preservando o ideal romântico de dançar em pontas minúsculas. Isso que na época causou polêmica, com o passar do tempo tornou-se padrão.

Após uma turnê pela Europa e voltando para a Holanda, o comboio em que viajava descarrilou. Anna resolveu sair do trem para ver o que tinha acontecido e vestindo roupas leves foi caminhando pela neve. Dias mais tarde, foi acometida de forte pneumonia. O cisne estava sozinho no lago. A mulher que poderia retratar a morte e a transfiguração no palco estava lutando por sua vida. Morrendo, ela pediu que seu traje de cisne lhe fosse trazido. Faleceu semanas depois, no auge da fama e perto de completar 50 anos. Somente a morte poderia separá-la da dança.

A sobremesa capta perfeitamente o espírito e a arte de Pavlova. O merengue assemelha-se a um tutu cheio de ondas, e as frutas coloridas lembram o brilho vertiginoso de sua dança. A própria vida do doce parece espelhar a famosa rotina das penas de Pavlova: a beleza desaparece rapidamente depois da criação e, a menos que seja consumida, a fruta e o creme despencam – uma sobremesa que morre, como o cisne.

E não deixe de assistir esta jóia de 1920! https://www.youtube.com/watch?v=5SIhAVGDGPs

Fontes: estoriasdahistoria12.blogspot.com; biografias.netsaber.com.br; dancer.com

Search

+